segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Senac Francisco Matarazzo promove debate sobre desigualdades socioterritoriais nas cidades brasileiras


Especialistas vão abordar gestão das políticas sociais brasileiras, diversidades socioculturais presentes nas cidades e seus territórios, e o mapa da desigualdade em São Paulo, entre os outros assuntos.  
O Senac Francisco Matarazzo realiza, no dia 30 de novembro, no Auditório Nobre do edifício Sede do Senac São Paulo, na Vila Buarque, o debate Gestão de Projetos Sociais no Território. A iniciativa tem o objetivo de proporcionar um diálogo sobre as desigualdades socioterritoriais e os caminhos para decodificá-las, com especialistas sobre o tema.
          O evento consiste em painéis temáticos que trarão à tona discussões sobre a política brasileira e problemas relacionados à desigualdade social.  A programação contempla o painel Do Chão para a Gestão, das 14h30 às 16 horas, com Dirce Koga, autora do livro Medidas de cidades entre territórios de vida e territórios vividos e São Paulo: sentidos territoriais e políticas sociais, em coautoria com Aldaiza Sposaticom a mediação de Pedro Pontual, presidente honorário do Conselho de Educação Popular da América Latina e Roberto Galassi Amaral, coordenador do curso Gestão de Projetos Sociais no Território (Presencial) e professor no curso Projetos Sociais e Políticas Públicas (EAD).
                Na ocasião, eles falarão como a lógica institucional tem marcado os processos de gestão das políticas sociais brasileiras e as diversidades socioculturais nas cidades e seus territórios. Além disso, vão discutir sobre os caminhos metodológicos a serem construídos na perspectiva de inversão desta lógica de gestão, além de abordar métricas e cartografias sociais no país.

         Já o painel Ação Social no Território – a contribuição do Mapa da Desigualdade da cidade de São Paulo acontecerá das 16 às 17 horas, com Américo Sampaio, professor e conselheiro da Escola de Governo de São Paulo e com a mediação de Pedro Pontual e Roberto Galassi Amaral. O debate apresentará as informações mais significativas do Mapa da Desigualdade da cidade de São Paulo, buscando mostrar como este instrumento criado pela Rede Nossa São Paulo pode contribuir para uma melhor qualificação das ações sociais nos territórios e para engajar os atores da sociedade civil para a prática do controle social das políticas públicas.
O evento é gratuito e voltado aos profissionais, estudantes e interessados em gestão de projetos sociais, responsabilidade social, política pública e desenvolvimento social. Para se inscrever, acesse a página da unidade no Portal Senac: www.sp.senac.br/franciscomatarazzo ou na agenda de eventos: www.sp.senac.br/eventos.

Serviço: 
Gestão de Projetos Sociais no Território
Local: Auditório Nobre – edifício Sede do Senac São Paulo
Rua Dr. Vila Nova, 228, Vila Buarque - São Paulo - SP
Data e Horário: 30/11/2017, das 13h30 às 17h30Participação: Gratuita

Programação:

13h30 às 14 horas – Recepção dos Participantes
14 horas às 14h10 – Abertura com Roberto Galassi Amaral
14h10 às 14h30 – Apresentação dinâmica: Susana Sarmiento, do Portal Setor3 do Senac São Paulo.
14h30 às 16 horas – Painel 1: Do Chão para a Gestão 
A atividade buscará dialogar sobre a lógica institucional que tem marcado os processos de gestão das políticas sociais brasileiras, normalmente de costas para as desigualdades socioeconômicas e diversidades socioculturais presentes nas cidades e seus territórios.
Convidada: Dirce Koga
Mediadores:  Roberto Galassi Amaral e Pedro Pontual
16 às 17 horas - Painel 2: A Ação Social no Território – a contribuição do Mapa da Desigualdade da cidade de São Paulo 
O painel tem por objetivo apresentar as informações mais significativas do Mapa da Desigualdade da cidade de São Paulo, buscando mostrar como este instrumento criado pela Rede Nossa São Paulo pode contribuir para uma melhor qualificação das ações sociais nos territórios.
Convidado: Américo Sampaio, gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo
Mediadores: Roberto Galassi Amaral e Pedro Pontual
17 horas às 17h30 – Fechamento – Roberto Galassi Amaral e Pedro Pontual 
Novembro/2017

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Boa gastronomia, histórias e música árabe. Esse foi o clima da festa de 15 anos do Farabbud comemorada na noite desta terça-feira, em Moema, zona sul de São Paulo. Clientes, amigos, críticos de gastronomia e personalidades foram prestigiar o aniversário da casa pioneira da culinária síria-libanesa na cidade e a noite de autógrafos do livro “Farabbud, uma História”, que reúne receitas e curiosidades da casa. A noite foi embalada por pocket-show do trio Hijaz, música árabe ao som do cajón, violão, teclado e voz do cantor sírio Shadi Alahmad

Farabbud comemora 15 anos com festa e livro



Clientes, amigos, críticos de gastronomia e celebridades prestigiaram a noite de autógrafos e o pocket-show da banda árabe Hijaz

Boa gastronomia, histórias e música árabe. Esse foi o clima da festa de 15 anos do Farabbud comemorada na noite desta terça-feira, em Moema, zona sul de São Paulo. Clientes, amigos, críticos de gastronomia e personalidades foram prestigiar o aniversário da casa pioneira da culinária síria-libanesa na cidade e a noite de autógrafos do livro “Farabbud, uma História”, que reúne receitas e curiosidades da casa. A noite foi embalada por pocket-show do trio Hijaz, música árabe ao som do cajón, violão, teclado e voz do cantor sírio Shadi Alahmad

Passaram por lá para prestigiar o coquetel e experimentar algumas das receitas de sucesso da obra, o casal de atores Suzy Rêgo e Fernando Vieira, a atriz Raiani Teichmann, a cantora Vanessa Jackson, a chef Renata Abbud (Randa), os youtubers Mauricio Chahad, do canal Por Aí Afora, e Tulio Silva, do Pensecomida, os críticos de gastronomia Josimar Melo e Marcio Alemão e as blogueiras de gastronomia Erika Gentile e Fernanda Borges (Guia Comida de Rua SP), a advogada Branca França, dentre outras. Os convidados foram recebidos pelo casal de sócios Paulo e Claudia Abbud. Uma galera bonita, descolada e admiradora do restaurante que é um marco da culinária árabe de São Paulo.

Com páginas dedicadas às histórias, curiosidades, depoimentos de colaboradores e clientes e receitas de 15 pratos, um para cada ano de existência, o livro reúne colaborações como o prefácio escrito pelo crítico gastronômico da Folha de S. Paulo, Josimar Melo, um dos primeiros a descobrir a casa na cidade e a decretar, no ano de abertura, 2002, que “sobram qualidades na cozinha libanesa do pequeno Farabbud”. A apresentação é de Márcio Alemão, roteirista e crítico de gastronomia da revista Carta Capital, também um dos primeiros a destacarem a excelência gastronômica do restaurante. O texto é de autoria da jornalista Flávia G. Pinho (membro do júri de gastronomia da Revista Sãopaulo e colaboradora de diversos jornais e revistas da área).

Fundado por Paulo Abbud, em 2002, em Moema, zona sul da cidade, o Farabbud é uma homenagem a Suahad Farah e Emílio Abbud. A tradição das famílias de descendências síria e libanesa deu corpo à cozinha do restaurante. Ingredientes de qualidade e “receitas de gaveta” compõem a fórmula de sucesso da casa e estão detalhadas na obra. Os sócios atribuem a longevidade a três pilares: a excelência da comida, o respeito aos clientes e a parceria afetuosa com os colaboradores. Além da tradição sírio-libanesa, os críticos apontam os elementos de vanguarda do Farabbud no cenário gastronômico da cidade.

Tradição e vanguarda sempre marcaram a história do Farabbud e agora tornam-se parte do enredo do livro comemorativo. O livro é o resultado dessa união de sobrenomes, gestos, histórias e sabores.  Família que dita moda e história na culinária árabe paulistana.  O clã cresceu e hoje os filhos de Paulo Abbud, Patricia e Paulo Abbud Filho, tocam os árabes Manish, no Itaim Bibi, e a rede Saj, marcas mais voltadas ao público jovem, e Renata Abbud administra o Randa, localizado num complexo empresarial no Morumbi, zona sul da cidade. “Este aniversário tem um sabor muito especial para todos nós. Ele marca uma união verdadeira - e que, se depender da família Farabbud, ainda vai durar muito”, completa o restaurateur Paulo Abbud.  Não à toa, “Farah” quer dizer “luz”, em árabe, e “Abbud” alude a um príncipe árabe de Damasco que abdicou de seu trono por amor. Farabbud, literalmente “o cozinheiro da luz”, em 15 anos de história.

Serviço:
Farabbud
Alameda dos Anapurus, 1253
Moema – São Paulo– SP – CEP 04087-003
Tel. 11 5054-1648
Instagram: @farabbud
Facebook: /Farabbud
Twitter: #Farabbud

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

7ª EDIÇÃO DO OSASCO TATTOO DE 27 A 29 DE OUTUBRO NO CENTRO DE EVENTOS PEDRO BORTOLOSSOFestival de Tatuagens e beleza femininaUm grande evento com shows, workshops, campeonato de tatuagens, grastronomia e muito mais O Centro de Eventos Pedro Bortolosso, em Osasco, recebe a 7ª edição do Osasco Tattoo Festival de 27 a 29 de outubro,um dos maiores eventos de tatuagem do Brasil. O festival reune tatuadores com  stands , concursos e atrações culturais, e tem como objetivo mostrar o trabalho de 210 tatuadores que sabem tudo dessa grande arte.
O  festival foi idealizado e desenvolvido pela Serpius Tattoo, de Alexandre Miklos, tatuador desde 1989,  junto com a  Buda Music, de Anderson Buda produtor de eventos nacionais e internacionais em Osasco e São Paulo. 
Serão 3 dias de muitas atrações com apresentações de bandas, DJs, Moto Clube, Lanchonete, Food Bike e muito mais, buscando a união do público de todas as idades e classes sociais e expondo o trabalho dos tatuadores e de bandas regionais que se apresentarão no evento. A idéia é levar ao público da região a arte da tatuagem, música e cultura de qualidade.
Nesta edição, as tatuagens feitas na feira poderão participar do concurso de melhor tatuagem. As artes serão julgadas por jurados com anos de experiência no universo da Tattoo.Entre eles estarão:Deley Tattoo Mauá, Fábiao Angell Savage, Chileno Venegas, Rafael Miranda e o Roderval tattoo Votorantim que também fará um workshop sobre realismo no evento.O festival terá ainda um concurso de Miss Tattoo, organizado por Renata Cunha.O 2º colocado leva o Kit Electrik Ink completo, e o vencedor da melhor tatuagem ganha uma máquina de tatuar e mais o Kit Electric Ink. Vale lembrar ainda  que no dia 27/10 já está confirmado o show da banda DANCE OF DAYS.Após o sucesso de 2016, o evento espera receber mais de 5 mil visitantes. Maiores informações:www.osascotattoofestival.com.br
www.osascotattoofestival.com.br
Festival de tatuagens e beleza feminina. Um grande evento com shows ao vivo, worshop, campeonato de tatuagens, premios e muito mais. Confira!

www.osascotattoofestival.com.br
Festival de tatuagens e beleza feminina. Um grande evento com shows ao vivo, worshop, campeonato de tatuagens, premios e muito mais. Confira!


SERVIÇO:Nome do Evento:7º Tattoo Osasco FestivalData: 27 a 29 de outubro de 2017Horário: das 11h às 22hLocal:  Centro de Eventos Pedro Bortolosso (Av. Visc. de Nova Granada, 513 - Km 18, Osasco - SP, 06194-025)Preço: No site a partir de R$20,00 e no Estúdio Serpius Tattoo antecipado a partir de R$15,00. Ingressos no Site: https://www.eventbrite.com.br/e/7-osasco-tattoo-festival-tickets-3669492551Informações:(11)3699-0181 http://www.osascotattoofestival.com.br


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Seth Siegel é um dos grandes especialistas em Crise Hídrica no mundo. Seu livro, “Faça-se a Água – a solução de Israel para um mundo com sede de água”, é best-seller em diversos países, como EUA, China e República Tcheca. Eventos no Brasil.





Crise Hídrica/Meio Ambiente
Seth M. Siegel, autor de Faça-se a Água – a solução de Israel para
um mundo com sede de água, vai à PUC-SP para “palestra-debate”
 
Bar Rafaeli, Uber Model, na campanha israelense da água
O evento acontece na próxima segunda-feira, dia 16 de outubro, a partir das 19h, no Teatro Tuca. Tem entrada franca e aberto a todos. Dia 17, a partir das 18h30, o autor faz uma breve palestra, com lançamento do livro e autógrafos, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, também em São Paulo. 



O escritor, empreendedor e ativista, autor do best-seller Faça-se a Água – a solução de Israel para um mundo com sede de água, faz na próxima segunda-feira, dia 16 de outubro, às 19h, no Teatro Tuca da PUC-SP (à rua Monte Alegre, 1.024), uma palestra-debate, com entrada franca e aberta a todos. Senior Fellow do Centro de Políticas de Água da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, Siegel já falou sobre problemas e questões relacionadas à água em dezenas de países da Europa, América, África e Ásia. Faça-se a Água foi recentemente publicado em português pela Educ, editora da PUC-SP (350 páginas, R$ 66,00*)  



O evento começa às 19h, com uma intervenção artística (um diálogo entre arte e música, com Mauro Nery, uma Live Painting; e Thiago Duar, que faz a música), com o tema “Água”. Depois, Seth falará por cerca de 40 minutos sobre a Crise Hídrica no Planeta e as soluções que podem ser encontradas, principalmente a partir da experiência israelense. Após a palestra, começa um debate, com a participação das seguintes pessoas e entidades: Luiz de Campos Jr, geógrafo; e José Bueno, arquiteto urbanista (ambos da Iniciativa Rios e Ruas); Cesar Pegoraro (SOS Mata Atlântica, plataforma Observando os Rios);  e Mônica Pilz Borba (do Instituto 5 Elementos - Educação para a Sustentabilidade), Maru Whately (Aliança pela Água); Prof Alexandre Delijaicov (FAU – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo), Procópio Gomes de Oliveira Netto (da DT Engenharia), Samuel Barreto (da TNC) e Hilton Lúcio (Angel Ambiental), que será o moderador.




           O evento é uma realização conjunta da PUC-SP, Educ - editora da PUC-SP, responsável pela edição brasileira do livro e da IdeaAction - Ideias em Movimento, Ideias com Propósito (idealizadora do Circuito e Mostra Rios e Ruas”). A palestra-debate tem sido chamada de “Esquenta FliPUC”, por anteceder a “1ª. FliPUC”, festa literária, que acontece de 23 a 25 de outubro.
         Seth M. Siegel ficará no Brasil de 16 a 19 de outubro para uma série de encontros.  Além da palestra-debate na PUC-SP, terá outros importantes eventos. Também no dia 16, também terá um encontro com o presidente da Sabesp, Jerson Kelman. No dia 17, às 18h30, faz uma breve palestra, com lançamento do livro e autógrafos, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo (av. Paulista, 2073).  Além disso, tem uma palestra na Fundação FHC (dia 18) e uma reunião no Ministério do Meio Ambiente, em Brasília (dia 19). 
 
O autor: Seth Siegel no Brasil
Sobre o livro “Faça-se a Água”
Publicado originalmente em língua inglesa, Let There Be Water: Israel’s Solution for a Water-Starved World foi traduzido para 14 idiomas e está à venda em mais de 40 países. O livro narra como sustentando-se em três pilares - educação, tecnologia e política - Israel, inicialmente um país pobre, com população em rápido crescimento, em uma região escassa de água, resolveu seu problema hídrico e tem atualmente água em abundância.  O livro ganhou dois prêmios literários: medalha de bronze do Axiom Business Book Award (2016) e Nautilus Book Award e foi listado na “Best ‘Big Idea’ Books of 2015”, do Daily Beast, e nas listas “Best Books of 2016”, da National Review.
Tecnologia israelense de gotejamento na Índia, um dos temas

Várias universidades têm adotado a obra, em cursos como engenharia, agricultura, políticas públicas, negócios e história, e convidado Siegel para dar palestras sobre o tema. Entre essas universidades estão Harvard, Yale, Princeton, Mit. Stanford, Columbia e Cornell. Para o autor, o livro, agora publicado em português, poderá influenciar o pensamento do governo, da mídia, acadêmicos e líderes empresariais para a questão da água no Brasil. “Embora a Amazônia seja a maior fonte de água doce do mundo, isso não significa que o País tenha um futuro seguro para a água”, afirma.  Cada vez mais, o desequilíbrio entre oferta e demanda de água ameaça a agricultura irrigada, a produção industrial, a produção de energia elétrica e mesmo o consumo humano. E isso não acontece “apenas” no Nordeste, como pode atestar a população do Estado de São Paulo, que passou por uma severa crise hídrica entre 2014 e 2016.
Segundo Siegel, 60% da superfície terrestre do planeta logo mais experimentarão um desequilíbrio alarmante entre as demandas crescentes de água e a água disponível. Se ações não forem colocadas em prática, o preço dos alimentos aumentará e o crescimento econômico vai se desacelerar. E a consequência provável será a instabilidade política.
Faça-se a Água ilustra como Israel pode servir de modelo para demais países do mundo, mostrando como amenizar o resultado das calamidades hídricas iminentes. Mesmo que o deserto corresponda a 60% da área do país, Israel não só resolveu seu problema hídrico, como também tem água em abundância. Aliás, o país fornece água aos seus vizinhos – os palestinos e o reino da Jordânia – diariamente.

Fazendas de água no Negev


Baseado em pesquisa meticulosa e centenas de entrevistas, Faça-se a Água revela os métodos e técnicas de inventores, frequentemente muito pouco convencionais, que permitiram a Israel se tornar líder mundial em tecnologia hídrica de ponta.
          O livro também relata histórias desconhecidas acerca de como a cooperação em sistemas hídricos pode forjar vínculos diplomáticos e promover a unidade. Notavelmente, não muito tempo atrás, o hostil Irã dependia de Israel para administração de seus sistemas hídricos – e o acesso ao know-how hídrico israelense ajuda a descongelar as relações entre China e Israel.


Ong israelense atuando na África. 

         Faça-se a Água é, ainda, um relato inspirador acerca da visão do sacrifício de uma nação e de um povo que há muito fizeram da segurança hídrica uma prioridade essencial. Apesar dos poucos recursos hídricos naturais, com uma população e uma economia em rápido crescimento e vizinhos frequentemente em conflitos, Israel tem constantemente ocupado a posição de líder na curva de inovação hídrica – que deve assegurar um futuro dinâmico e vital.
“Com a leitura de Faça-se a Água espera-se que toda cidade, país e leitor possam se beneficiar do conhecimento de como Israel fez para superar desafios assustadores e se transformar de uma terra ressequida em uma superpotência hídrica”, diz Siegel.

*Na palestra na PUC-SP e durante toda a FliPUC, o livro será vendido por R$ 50,00

 
Campanha infantil em israel

Sobre o autor

Seth M. Siegel, advogado, ativista, escritor e empreendedor de sucesso. Os seus ensaios sobre a água e outras políticas têm sido publicados nos jornais The New York Times, The Wall Street Journal, Los Angeles Times e nos principais meios de comunicação da Europa e da Ásia. Siegel é membro do Conselho de Relações Exteriores. Frequentemente dá palestras sobre diversos tópicos, incluindo política hídrica, política no Oriente Médio e segurança nacional. Em seu blog, disponível em www.sethsiegel.com, discute questões ligadas à água. É casado e vive em Nova York.

O que disseram sobre o livro

“Se você está preocupado com a escassez global de água – e deveria estar –  leia este livro. Seth Siegel traz uma mensagem urgente sobre como o mundo pode ser salvo com o uso de técnicas e tecnologias notáveis desenvolvidas em Israel. Faça-se a Água é uma leitura essencial. Recomendo fortemente.”
Michael Bloomberg

“Este é um relato verdadeiramente interessante das possibilidades da tecnologia para resolver um dos maiores desafios – ainda que subestimado – da nossa época.”
Tony Blair, ex-primeiro-ministro do Reino Unido

Faça-se a Água é uma história emblemática de Israel, um relato de como um deserto solitário conseguiu ser transformado em lar florescente e acolhedor. Esta obra extraordinária será lida por muito tempo pelas pessoas preocupadas com a escassez de água e com outros desafios aparentemente insuperáveis.”
Shimon Peres, Prêmio Nobel da Paz e ex-presidente de Israel

Faça-se a Água é uma história contada de forma proficiente e emotiva sobre como especialistas e ONGs israelenses ajudaram muitos africanos a ganhar acesso à água limpa. Todos temos muito que aprender com este livro fabuloso.”
Ruhakana Rugunda, primeiro-ministro de Uganda

“Já que a escassez global de água está gerando crises políticas, militares e humanitárias ao redor do mundo, a surpreendente inventividade israelense para conseguir abundância a partir da seca é um plano inspirador e instrutivo para o planeta.”
Robert F. Kennedy Jr, presidente da Aliança para a Conservação da Água

“Seth Siegel abre nossos olhos para como Israel transformou a adversidade em oportunidade, tornando-se um pioneiro inovador na procura global por um novo paradigma hídrico.”
Steven Solomon, autor de Água: a luta épica por riqueza, poder e civilização.


Veja alguns dos momentos da agenda de Siegel no Brasil

Dia 16 de outubro, segunda-feira
13h – Encontro com o presidente da Sabesp, Jerson Kelman;
19h – Palestra-debate no Teatro Tuca da PUC-SP, com entrada franca e aberta a todos (à rua Monte Alegre, 1.024), no evento “Esquenta FliPUC”, que antecede a “1ª. FliPUC”, festa literária, que acontece de 23 a 25 de outubro.

Dia 17 de outubro, terça-feira
18h30 – Breve palestra, lançamento do livro “Faça-se a Água” e autógrafos na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (av. Paulista, 2073), em São Paulo.

Dia 18 de outubro, quarta-feira
13h – Debate na Fundação FHC

Dia 19 de outubro, quinta-feira
10h – Encontro no Ministério do Meio Ambiente, em Brasília.
12h – Encontro na Embaixada de Israel.