terça-feira, 19 de setembro de 2017

IFA 2017, o maior congresso de direito tributário do mundo que acontece no Rio de Janeiro, organizado pela Associação Brasileira de Direito Financeiro (ABDF). Hotel Windsor.










A combinação de boa música, gastronomia impecável e cenários deslumbrantes proporcionou uma inesquecível experiência aos convidados do jantar de gala que marcou o encerramento ontem, no Rio de Janeiro, no Hotel Windsor, do IFA 2017, o maior congresso de direito tributário do mundo que acontece no Rio de Janeiro, organizado pela Associação Brasileira de Direito Financeiro (ABDF).


O repertório de clássicos da Bossa Nova, executado pelo músico Daniel Jobim, deu o tom ao jantar que, com a mais moderna tecnologia em cenografia, fez com que os convidados se sentissem em uma floresta tropical, para logo em seguida, desfrutarem do pôr do sol em Copacabana. A animação dançante da noite ficou por conta da vigorosa performance vigorosa performance do percussionista Paulo Campos, com o espetáculo de luzes e som e da animadíssima banda Soul de Quem Quiser, que rememorou os clássicos da música soul brasileira e rendeu tributo ao mestre Tim Maia.


A cerimônia teve a passagem da bandeira para a IFA Seul, encarregada da edição de 2018 do Congresso, e emoção do comitê local, há sete anos dedicado a organizar a edição brasileira do Congresso. “Estamos muito orgulhosos do sucesso do Congresso, que teve debates de alto nível na programação técnica e ofereceu aos participantes lazer e cultura na programação social”, afirmou o presidente da ABDF e do IFA 2017, Gustavo Brigagão. Entre as atividades paralelas, destaque para os eventos realizados no Museu do Amanhã e no Pão de Açúcar, que deslumbraram os visitantes com a paisagem da cidade maravilhosa.


Referências convidados e atrações: 346Q2582-Gustavo_e_Danielle_Brigagão_e_Daniel_Jobim_e_Natália_Carvalho.JPG (240 KB);346Q2586-Gustavo_e_Danielle_Brigagão_e_Daniel_Jobim_e_Natália_Carvalho.JPG (239 KB)346Q2599--Gustavo_Brigagão_e_Daniel_Jobim_e.JPG (241 KB)346Q2599--Gustavo_Brigagão_e_Daniel_Jobim.JPG (241 KB)346Q2608-Gustavo_Brigagão_e_Daniel_Jobim_e.JPG (195 KB)346Q2608-Gustavo_Brigagão_e_Daniel_Jobim.JPG (195 KB)346Q2614-Daniel_Jobim_entre_Natalia_Carvalho_e_Danielle_Brigagão.JPG (245 KB)346Q2672-Almir Ghiaroni e Georgia Wortmann.JPG (235 KB)346Q2706-Gustavo_e_Danielle_Brigagão.JPG (261 KB)346Q2707.jpg (369 KB);346Q2708.jpg (251 KB)346Q2709.jpg (248 KB)346Q2710.jpg (212 KB)346Q2714-Daniel Jobim e Paulo Jobim.JPG (186 KB)346Q2721-Daniel Jobim.jpg (156 KB)346Q2722-Daniel Jobim.jpg (246 KB)346Q2734-Daniel Jobim e Paulo Jobim.JPG (199 KB)346Q2782-Joaquim_Levy,_Gustavo_Brigagão_e_Porus_Kaka.JPG (223 KB)346Q2785-Roberto entre Cristyane e Maria Isabel Duque Estrada.JPG (290 KB)346Q2792-Gustavo_Brigagão_e_Joaquim_Levy.JPG (243 KB)346Q2796-Raquel Trevisol e Heleno Torres.JPG (286 KB);346Q2816-Daniel Jobim, Paulo Jobim e Nina Joory.jpg (193 KB)346Q2817-Daniel Jobim, Paulo Jobim e Nina Joory.jpg (217 KB)346Q2883-Edward_Osterberg,_Susan_Osterberg_e_Gustavo_Brigagão.JPG (240 KB);346Q2918-Gustavo_Brigagão_e_Stef_van_Weeghe.JPG (272 KB)346Q2925-Daniel_Jobim,_Danielle_Brigagão_e_Paulo_Jobim.JPG (237 KB)346Q2946-Gustavo_Brigagão_e_sua_comitiva.JPG (285 KB)346Q2960-Porus_Kaka_e_Gustavo_Brigagão.JPG (267 KB);346Q2963-Porus_Kaka_e_Gustavo_Brigagão.JPG (254 KB)346Q2964-Gustavo_Brigagão.jpg (169 KB);346Q2965-Gustavo_Brigagão.jpg (231 KB)346Q2966-David_Jy_Lee_e_Gustavo_Brigagão.jpg (170 KB);346Q2978--David_Jy_Lee_e_Gustavo_Brigagão.JPG (293 KB)346Q2979-David_Jy_Lee_e_Gustavo_Brigagão.jpg (298 KB)346Q2981--David_Jy_Lee_e_Gustavo_Brigagão.JPG (325 KB);346Q3012-Gustavo_Brigagão,_Paulo_Jobim_e__Daniel_Jobim.JPG (233 KB)346Q3014-Gustavo_Brigagão,_Paulo_Jobim,_Daniel_Jobim_e_Danielle_Brigagão.JPG (251 KB)346Q3031-Paulo e Daniel Jobim.JPG (273 KB)346Q3044-David_Jy_Lee,_Gustavo_Brigagão_e_James_Jh_Jeon.JPG (234 KB);346Q3058-Fabricio Dantas, Heleno Torres.JPG (237 KB)346Q3084-Paulo Campos.JPG (389 KB)346Q3086-Paulo Campos.jpg (257 KB)346Q3087 - Paulo Campos.jpg (283 KB)346Q3088-Paulo Campos.jpg (199 KB);346Q3101-Paulo Campos.JPG (277 KB)346Q3102-Paulo Campos.JPG (260 KB)346Q3122-Banda Soul de quem quiser.jpg (195 KB)346Q3123-Banda Soul de quem quiser.JPG (273 KB)346Q3124-Banda Soul de quem quiser.JPG (298 KB)346Q3125-Banda Soul de quem quiser.jpg (340 KB)346Q3126-Banda Soul de quem quiser.jpg (215 KB)346Q3127-Banda Soul de quem quiser.jpg (231 KB)346Q3128-Banda Soul de quem quiser.jpg (236 KB)346Q3129--Almir_Ghiaroni_e_Georgia_Wortmann,_Gustavo_e_Danielle_Brigagão.JPG (283 KB)346Q3134-Almir_Ghiaroni_e_Georgia_Wortmann,_Gustavo_e_Danielle_Brigagão.JPG (263 KB)346Q3139-Danielle_Brigagão_e_Georgia_Wortmann.JPG (412 KB)346Q3162-Danielle_Brigagão_e_Georgia_Wortmann.JPG (397 KB)346Q3183-Pedro_Grillo,_Gustavo_Brigagão,_Eduardo_Muniz_e_Rodrigo_Caserta.JPG (291 KB);346Q3187-Gustavo_e_Danielle_Brigagão.JPG (321 KB)2017-09-01-PHOTO-00000222.jpg (294 KB);

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

O Ministério do Turismo divulgou nesta quinta-feira (14) o novo mapa do turismo brasileiro, instrumento que destaca municípios que adotam o turismo como estratégia de desenvolvimento e norteia a definição de políticas públicas para o setor. Em comparação ao ano passado, o número de regiões turísticas e municípios cadastrados cresceu exponencialmente. Em 2016, eram 2.175 cidades em 291 regiões, este ano o mapa registra 3.285 municípios em 328 regiões turísticas.

Novo mapa do turismo brasileiro tem recorde em número de regiões
Crescimento do número de municípios e regiões turísticas reforça desejo dos gestores em trabalhar com o turismo para desenvolver a economia, gerando emprego e renda
O Ministério do Turismo divulgou nesta quinta-feira (14) o novo mapa do turismo brasileiro, instrumento que destaca municípios que adotam o turismo como estratégia de desenvolvimento e norteia a definição de políticas públicas para o setor. Em comparação ao ano passado, o número de regiões turísticas e municípios cadastrados cresceu exponencialmente. Em 2016, eram 2.175 cidades em 291 regiões, este ano o mapa registra 3.285 municípios em 328 regiões turísticas.

O aumento nos números é resultado de um amplo trabalho de conscientização do Ministério do Turismo junto aos gestores municipais e estaduais a respeito da necessidade de identificação e classificação das cidades para que as políticas públicas e investimentos sejam mais adequados à realidade de cada região.

“O mapa é um instrumento muito importante para gestão, estruturação e promoção dos destinos. Por isso, é importante que ele esteja sempre atualizado, garantindo com que os municípios que queiram trabalhar o turismo como uma atividade econômica, tenham prioridade dentro das políticas e ações do MTur”, afirmou o ministro do turismo.

A atualização periódica do Mapa faz parte de uma estratégia do Plano Brasil + Turismo, lançada este ano pelo ministro Marx Beltrão para fortalecer o setor de viagens no país. De acordo com o Plano, a partir de 2017 o Mapa passa a ser atualizado a cada dois anos. Sua construção é feita em conjunto com os interlocutores estaduais que representam o MTUR e órgãos oficiais de Turismo dos estados brasileiros e instâncias de governança regional.

» Confira como ficou o novo mapa, por macrorregião:
 Macrorregião
Regiões turísticas
Municípios
Centro-Oeste
36
225
Nordeste
84
758
Norte
34
259
Sudeste
121
1138
Sul
53
905
Total
328
3.285

CATEGORIZAÇÃO DO NOVO MAPA DO TURISMO - 
De acordo com o novo mapa, 23% (740) dos municípios estão nas categorias A, B e C. Esses municípios concentram 93% do fluxo de turistas doméstico e 100% do fluxo internacional. Os demais 2.545 municípios figuram nas categorias D e E. Esses destinos não possuem fluxo turístico nacional e internacional expressivo, no entanto alguns possuem papel importante no fluxo turístico regional e precisam de apoio para a geração e formalização de empregos e estabelecimentos de hospedagem.

BOA PRÁTICA – O Tribunal de Contas da União e o Senado Federal reconhecem o Mapa do Turismo Brasileiro como um instrumento de gestão para orientar no desenvolvimento de políticas públicas regionalizadas e descentralizadas. A atualização bianual do documento se torna, portanto, fundamental para que esse instrumento seja eficaz e respeite o princípio de eficiência da Administração Pública.